quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Ninho de Poemas

Ninho de Poemas

Atenho-te no caudal das minhas recordações! Tardando meu barco no pier dessa saudade... Que invade e se apossa das minhas marés, num bate e rebate de vagas profundas!
Âncora onde firmei minha claridade! Sequiosa gaivota, no outono da vida, num sonho acordado alimentando suas asas... Respingada de palavras constrói seu abrigo num ninho de Poemas!
Apenas sílabas presas umas às outras, numa rede de versos pescando emoções... Pequeninas conchas recolhidas nessa praia onde teu mar afina violinos, despertando as madrugadas na saliva das horas inquietas!
E o vento entoando maresia vem dizer-me do dia que amanhece! Sem pressa recolho meus pensamentos mastigando-os demoradamente, para que não se percam durante o sono!
As lembranças levo comigo, são o mastro principal do meu barco... Raiz da minha sanidade! Afinal, venceram todos os vendavais que a vida me apresentou e, intactas, ainda razoam meus dias quando a lucidez é ameaçada por essa saudade que é vértice, sem tempo e sem
...................................................................... Medidas!

By Iza
16/12/2008