domingo, 8 de março de 2009

No Sopro do Teu Amor

No Sopro do Teu Amor

Desassossegado... Ulula o vento lá fora
De porta em porta, de inquietudes cheio
Varrendo os semblantes das janelas
Indócéis... Silváticos ricocheteios!

E pranteia o céu amortalhando a tarde
Qual aquela em que vieste (chovia tanto)
Ao agasalho dos meus olhos... Nos
Andrajos do meu peito fiaste teu encanto!

Nem faz tanto tempo (presumo séculos)
Sou a partir de ti! Prólogo e epílogo! O antes?
Solidão... Chorando aos pés do crepúsculo!

Desde então, baniste meus cataclismos
Conduziste meu coração às águas da mansidão
No sopro do teu amor fechaste os meus
................................... Abismos!

By Iza
23/02/2009


Direitos Autorais Reservados

3 comentários:

daufen bach. disse...

Olá, terna e doce Poet(IZA),

sabe, eu estava aqui lendo-te e pensando...essa forma de poesia é só tua, um soneto magnífico, mas com a última palavra do último verso, sempre isolada e destacada.

Eu só vi estrutura assim contigo. Vamos nomear essa "forma", linda forma..rs. que tal "SONET(IZAS)"...rs.

Tua poesia é impar minha querida amiga!

Beijo em uas mãos.

daufen bach.

Poemas e Cotidiano disse...

Minha querida,
Suas poesias sao de intensa beleza.
Seus sonetos sao perfeitos! Amo
ler voce!
E essas duas frases, magnificas:
"Ao agasalho dos meus olhos... Nos
Andrajos do meu peito fiaste teu encanto!"

Beijos carinhosos
MARY

Beatriz Prestes disse...

Minha amiga que amo.....pessoa querida, tão presente em minha vida!!!
Teus poemas Iza....são obras de arte! Você é perfeita, intensa, única no teu escrever!
Aplausos para mais esta tua criação!
Beijo com imenso amor
Bea