domingo, 19 de julho de 2009

De Mel e Fel o Sabor

De Mel e Fel o Sabor

Saudade... Águas retornando à fonte! Dito
Impossível, mas tão presente! Impetuosa! Nasce
Em meus olhos, sulca-me a face e incansável
Vai... Meu coração remando contra a corrente!

Indefinível o que se sente! Ora é o olhar de
Uma flor... N'outras, o teu azul se propaga e o tom
De uma simples palavra te traz e crava, tua maresia
Olhar moreno, céu Poesia... Mar alto, indômitas vagas!

Então folheio páginas antigas da memória, quando
Em minutos a saudade se media e o sorriso floria, de
Sol vestia, nossa trajetória! Porém eu sei, somos fiéis...

A nossa sempre verdade... Sobreviventes e vencedores
Tantas e intensas, imensas tempestades! Raízes N'alma,
Perene Amor! Será seria tão veemente esta saudade...

Se mel apenas, se não provássemos também do fel, o
................................................. Amargor!?

By Iza
18/07/2009


Direitos Autorais Reservados

2 comentários:

O Profeta disse...

Este mar de fresco azul
Estas pedras sentinelas constantes
Estas ondas que adormecem nelas
Vieram do mundo em formas navegantes

O amargo das uvas verdes
Cede ao sorriso do astro rei
O doce invade os sentidos
E a ternura impõe a sua lei


Boa semana


Mágico beijo

Mariz disse...

Salvé Iza

Tenho alguma dificuldade em comentar este teu poema. Como estive ausente desta blogsfera durante algum tempo, dei ainda uma vista de olhos pelos teus outros posts e o meu fraco entendimento continua.
O defeito é meu. Porque já lá vai o tempo em que meoopava nas horas livres escrevendo alguns poemas que, para mim naquela altura, constavam um desabafo da alma....
hoje sei que a alma em nada tem a ver com amores e desamores e muito menos de mel e amargor!
Porém acho que tu estás a insistir - e perdoarás a frontalidade - na saudade!
Mas essa saudade é de alma ou da mente?
Se é da alma, é porque ssente falta da Luz de onde veio.
Se for da outra...estás a afastar-te do essencial!
Encontra-te!
Sente-te!
Ama-te mais e deixarás de ter saudades; verás que do mel sairá o verdadeiro AMOR para onde te caminhas, onde não há fel.

Agradeço a tua atenção sobre o "dia do amigo"...mas realmente não dou importância alguma a datas, nem ao que o homem inventa para nos impôr!
E sou livre Iza! E isso dá-me um grande á vontade para comemorar todos os dias os amigos/As...como tu, por exemplo!

Deixo-te o meu abraço
Sempre...
Mariz