quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Semeando Pássaros

Semeando Pássaros

Pudera eu! Quem dera nossas primaveras
Meu peito aberto ser a tua terra... Relva
Orvalhada onde te reclinas! Teu sol consentido
Sem a sombra aflita que ora o encerra!

A passos mansos contigo seguir na face da vida
Nossas asas livres semeando pássaros na palma da mão
No berço sagrado desse sentimento
Colher o sustento... Santo alimento do meu coração!

E anoitecer... No céu dos teus olhos
Estrela primeira dos teus pensamentos
Pátria dos teus versos! Teu mar sem escolhos!

Versos! Que já fui um dia! Permaneceis então
Onde já não vivo! Sê a ponte viva da minha saudade
Sê então a alma do que me contém! Desse...

Amor sem cláusulas, filho do impossível, rebento
................................................. Cativo!

By Iza
18/02/2009


Direitos Autorais Reservados

2 comentários:

TANTOS VERSOS disse...

Semeando pássaros, tanta vida!
Não há desencanto que cale a poesia.....benção que nos permite gritar, emocionar, contagiar em silêcio!
Beijo com amor querida
Maravilhoso demais teu poema!
Te amo
Bea

Regilene disse...

Iza tua poesia cala nos meus lábios qualquer comentário ousado da minha alma que por tua poesia se apegou nesses retalhos de sentimentos cerzidos dentro de ti com tamanha grandeza... Assim fico aqui embevecida com a tua magnitude!

Abraços poéticos!